Blog Player

quinta-feira, 10 de março de 2011

A LÍRICA DA CHAMA 5


V DE VULVAS (Carlito Azevedo)

Penetráveis
              sob a dor áspera
    da estocada cega (que
vai ao fundo
               e rebenta seu cristal de água) ou
   sob digital delicada (um
           beija-flor albino pousado
                  num fio de mel na Gávea)
                                           que ruboriza
                                            ao marasquino
                  tornam-se entanto
                  intratáveis
                                            se, vazias de desejo,
                  nada se lhes dá – nem luz nem
                                                  riso – nos desvãos
                                                               de mucosa e
                                                                     corrosão


Fonte: Folha de São Paulo, domingo, 20 de julho de 1997

VULVA (Alexei Bueno)

Aracnídea boca
Sem voz, sangrando um ente
Desfeito eternamente
Num fio que se apouca

E tomba. Casa em chamas.
Umbral do sono. Rio
Do olvido, onde um cicio
De carne eriça as ramas.

Gosto do todo. Ogiva
Da vontade e do nada
A haurir, coralizada,
Quanta ânsia nela viva.

Sarça de extintos eus
A arder. Sol da penumbra
Onde se acende e obumbra
O oco onde esteve Deus.


Fonte: Folha de São Paulo, domingo, 20 de julho de 1997



Nenhum comentário: