Blog Player

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Concerto cabeças - a volta.

Recebido via email do Fórum de Cultura do DF.

“Encontro Cabeças” acontece no dia 14 de agosto no Parque da Cidade com entrada franca


A geração de Brasília que tem hoje entre 40 e 60 anos de idade seguramente lembra, com nostalgia, das tardes de show ao ar livre, regadas a música, teatro, dança, poesia, artes plásticas. Um tempo em que a cidade – muito jovem – mantinha intato seu espírito de modernidade, sua alma pacífica e criativa. Tempos dos Concertos Cabeças. O evento que marcou a história de Brasília, reunindo milhares de pessoas a cada edição e apresentando nomes que depois viraram ícones pop como Renato Russo e Cássia Eller, vai ser lembrado no próximo dia 14 de agosto com um grande show. É o ENCONTRO CABEÇAS, que a partir das 15 horas preencherá de arte a Praça das Fontes do Parque da Cidade. Como nos velhos tempos.

Estarão reunidos no palco artistas e grupos que fizeram parte de toda essa história: Esquadrão da Vida, Reco do Bandolim, Suzana Mares, Rênio Quintas, Ivan Sérgio, Eduardo Rangel, o mímico Miquéias Paz, Jaime Ernest Dias, Carrapa do Cavaquinho, Oficina Blues, Milton Guedes, Maurício, Ticho Lavenere, Renato Matos, Liga Tripa e Grupo Beirão do Forró, além de um revival da banda Mel da Terra, uma das primeiras nascidas na capital brasileira. Durante os intervalos, espaço para os poetas recitarem seus versos.

ENCONTRO CABEÇAS nasceu da idéia do criador e diretor do antigo Concerto Cabeças, o produtor e ator Néio Lúcio. Para homenagear os 50 anos de vida da Capital Federal, nada seria mais apropriado do que trazer à vida o projeto que foi a vitrine mais inventiva das expressões artísticas nas décadas de 70 e 80 na cidade. Projeto que reuniu e revelou músicos, poetas, artistas plásticos, atores, atrizes, bailarinos, performers.

A história dos Concertos Cabeças começa em finais da década de 70, com shows realizados no gramado da 311 sul, onde já funcionava a Galeria Cabeças. Mensalmente, reuniam-se ali jovens de todo o Plano Piloto e cidades satélites, num grande happening cultural. O lugar foi ficando pequeno e surgiu um projeto de itinerância, batizado de Cabeças Grande Circular (homenagem à linha de ônibus mais usada da época). Daí, surgiram eventos regulares realizados na 312 norte (chamados de Panelão da Arte), Gama e Guará. Até que por volta de 1980, Néio Lúcio decidiu transferir o evento para a antiga Concha Acústica do Parque da Cidade, um lugar que estava abandonado e que foi totalmente revitalizado no período.

Pelo palco dos Concertos Cabeças (que aconteceram até 1991, sem a mesma regularidade dos primeiros tempos) passaram todas as principais bandas do rock brasiliense (Legião Urbana, Plebe Rude, Capital Inicial, etc), artistas como Cássia Eller, Renato Matos, Odette Ernest Dias, Nicolas Behr, os grupos Pitu, Liga Tripa, Mel da Terra, Pessoal do Beijo, Dois ao Absurdo e tantos outros que fizeram a história da arte na cidade.

“Queremos que este Encontro tenha os mesmos princípios que norteavam nossos gestos naquele tempo, para que possamos rever o calor humano que nos impulsionava ao exercício criativo“, explica Néio.

Para relembrar os artistas que ajudaram a criar a identidade artística da cidade, toda a cenografia será composta de painéis com fotos da época, mostrando amigos que faleceram e que participaram dos Concertos Cabeças: Cássia Eller, Renato Russo, Paulo Tovar, Aluízio Batata, Kido Guerra, Marcão Adrenalina, Pereira, Cristina Borracha, Vitinho (Victor Max), Nanduca (Fernanda Mee), José Ariosto, Margareth Cabral, Wladimir Murtinho, Ary Pararaios e Cesinha (César Góes), entre outros. Também para ser fiel ao formato original, próximo ao palco será montado um espaço para que poetas, artistas plásticos e fotógrafos possam expor e vender seus trabalhos.

O ENCONTRO CABEÇAS promete ser o primeiro passo de um projeto mais ambicioso. A intenção de Néio Lúcio é criar o MUSEU BRASÍLIA CULTURAL DOS ANOS 70 E 80, com um endereço virtual para a memória cultural desta geração, onde qualquer pessoa possa encontrar informações e imagens da época. Para isso, o produtor está solicitando a todas as pessoas que possuam material, como fotos, matérias de jornais, revistas, vídeos, etc, que façam uma doação para a Associação Cabeças. “Queremos criar o clube do pertencimento“, avisa Néio. O site já disponível e pode ser acessado no endereço: www.cabecas.org.

“Museus são casas que guardam e apresentam sonhos, sentimentos, pensamentos e intuições que ganham corpo através de imagens, cores, sons e formas; são pontes, portas e janelas que ligam e desligam mundos, tempos, culturas e pessoas diferentes“, diz Néio Lúcio. “Queremos colocar estes acervos a serviço da sociedade, com o objetivo de propiciar a ampliação de construção identitária, a percepção crítica da realidade, a produção de conhecimentos e oportunidades de lazer“.

Mas o museu não deve ser apenas virtual. Néio Lúcio está pleiteando uma área dentro do Parque da Cidade para erguer um projeto ambicioso que promete criar uma ponte entre o passado e o presente, usando material de arquivo e muita tecnologia.

Serviço: Encontro Cabeças

Local: Praça das Fontes – Parque da Cidade

Data: 14 de agosto de 2010

Horário: a partir das 15 horas

Atrações:

Esquadrão da Vida
Grupo Reco do Bandolim
Suzana Mares
Renio Quintas
Ivan Sérgio e Banda
Eduardo Rangel
Mímico Miqueias Paes
Jaime Ernest Dias e Banda
Grupo Carrapa do Cavaquinho
Grupo Oficina Blues
Milton Guedes e banda
Mauricio, Ticho Lavenere
Renato Matos e Banda
Grupo Mel da Terra
Grupo Liga Tripa
Grupo Beirão do Forró

Entrada: Franca

Classificação indicativa: Livre

2 comentários:

Julio disse...

...Ao saber que o CABEÇAS estava planejando esta festa de “a volta", confesso que até me emocionei, pois esta foi sem duvidas, uma fase muito boa da minha adolescência que eu certamente gostaria de relembrar sim! Era uma época onde havia PAZ em tudo e em todos, praticar a PAZ era o nosso IDEAL, éramos rebeldes sim, mas TINHAMOS causa, éramos felizes e SABIAMOS disso todos os dias de nossas vidas vividas da época, especialmente quando era o dia do CABEÇAS, a tarde no parque, na 11, em qualquer lugar, se era no CABEÇAS, eu e meus amigos, que preservo até hoje, estávamos lá...
Infelizmente não se pode voltar ao passado, mas certamente podemos revivê-lo... E é isso que farei no dia 14/08, colocarei flores de margarida no cabelo, (não sou gay, nada contra) e colocarei minha bata indiana, e lá estarei, na praça das fontes, praticando a PAZ juntamente com muitos que já conhecem o ritual CABEÇAS, ritual este que deve continuar... Vamos relembrar sim, o Batata, o Marcão Adrenalina, a Cássia o Pereira, a Cristina e muitos outros que partiram para onde todos nós iremos um dia, eles merecem ser lembrados. Parabéns Lucio! Envelhecemos sim, mas continuamos jovens para sempre!... Viva a PAZ. Estarei por lá... E mau posso esperar! Meu e-mail: - julio_abreu13@hotmail.com.

Julio disse...

...quem for brasilense e/ou candango de rocha... certamente vai tá por lá... quem não for daqui de Brasilia, vai lá pra saber como agente era... Que venham todos! Garanto será um momento inesquecível e de muitas transformações nas suas vidas... rs